Mais um protesto contra a gestão da FIS e desta vez são os skiers!

Hoje é sobre o universo dos skier e das competições clássicas como o Super G, de Slalom Gigante ou de Slalom. É sempre bom lembrar e evidenciar que skiers e freeskiers não são o mesmo esporte! …não usam os mesmos esqui: os skiers usam modelos mais tradicionais e/ou carving, enquanto os freeskiers usam modelos mais largos e flexíveis …não interpretam a montanha da mesma forma: os primeiros são mais race e adoram as pistas bem pisadas, outros são mais freestylers e gostam de neve polvo …essencialmente um é governado pela International Ski Federation (FIS) e o outro pela Association of Freeskiing Professionals (AFP) e parece que de forma totalmente inédita estes dois órgão irão cooperar em conjunto durante as Olimpíadas de Sochi 2014… Mas esta é matéria para um outro post.

No dia 24 de agosto 2011, a International Ski Federation (FIS) e a Ski Racing Suppliers Association (SRS), reuniram-se para discutir sobre as novas especificas técnicas referentes aos equipos esportivos que deveriam ser usados durante as competições de esqui durante a temporada 2011/2012 do mais prestigioso circuito mundial de esqui e, em vista deste encontro, os responsáveis pelo FIS Athletes’ Commission, ou seja a comissão oficial que reúne todos os skiers profissionais que atuam e competem nos circuitos da FIS, enviou aos interessados deste meeting um documento com propostas e sugestões feitas pelos TOP atletas a respeito deste tema. Um documento assinado neste primeiro momento por 170 skiers, ou seja mais, muito mais do que a metade dos atletas femininos e masculinos juntos, que competem ou competiram no circuito da Copa do Mundo FIS dos últimos 3 anos e que ganharam pelo menos a menor pontuação assinada em uma destas provas. Neste momento da publicação (04/11/2011) o documento encontra-se assinado por 194 skiers, incluindo nomes dos TOP melhores das rankings como Bode Miller. A lista completa pode ser vista AQUI.

O protesto surge pelo simples fato que a FIS, ou melhor os geniais e dinâmicos dirigentes que opinam somente pelo gosto de opinar sem saber o que estão dizendo/fazendo… e isso sempre foi evidente no snowboard e pelos menos esperava-se que soubessem governar o esqui… mas pelo visto é tragedia total em todos os campos, resolveram mexer nos padrões de segurança nas competições sem consultar a opinião dos atletas, um clássico da FIS. Aceitar as propostas da FIS seria como voltar a 15/20 anos atrás, bem antes do carving, quando ainda os esquis eram patéticos pedaços de madeira “trabalhada”… ou seja: querem abolir, justificando-se com indeterminadas e pouco claras motivações, a utilização dos esquis tipo carving (um esqui com mais silhuete que permite mais controle e velocidade nas curvas) os quais na metade dos anos 90 foram a inovação técnica capaz de dar um novo brilho de interesse e adrenalina ao velho e esgotado conceito de esqui que estava aborrecendo profissionais, consumidores e também os produtores.

Lists of Signing Athletes (194)
Participation density MEN: 10 out of the leading 10 athletes of the Worldcup standing list in Slalom and GS, 25 of 30 and 41 of 50
Participation density WOMEN: 32 out of the leading 40 athletes of the Worldcup standing list in Slalom and GS

Last update: Sept. 5th, 2011

Fonte: Skiers PRO – Lists of Signing Athletes

Mas a questão anda bem mais em profundidade: estas mudanças propostas pela FIS comprometeriam em alguns casos também a segurança dos atletas e visto esta inédita e praticamente absoluta união entre eles, imagino que seria sábio, tratando-se dos padrões de seguranças, ouvir a opinião de quem depois irá correr com as novas regras… óbvio, não é!?!? Sinceramente considero a estrutura pensante da FIS pré-historicamente loooonge das atuais novidades e necessidades… mas este sem dúvida nenhuma é próprio um belo tiro no pê! E visto que agora podemos incluir também os esquiadores no grande grupo dos insatisfeitos com a FIS pela inadequada gestão dos esportes invernais, espero vivamente que esta antiga e obsoleta estrutura do passado e altamente castrante no atual presente possa finalmente largar a tentativa de monopolizar o inverno e deixar que a evolução continue na onda do progressismo em prol dos esportes invernais.

Mais detalhes e infos AQUI.

Gostou? Tem mais:

Sobre ianny

...moro no Brasil, em uma ilha, e procuro neve, por paixão e por necessidade, o tempo inteiro, independentemente do mês ou do hemisfério. Sou snowboarder, goofy, mas provo prazer com todas as coisas que deslizam na neve, especialmente se são rápidas e harmoniosas com o contexto de montanha.