Ride up, a essência do snowkite

O snowkite sempre foi visto como uma espécie de simples versão invernal do kitesurf e por isso tornou-se comum explorar de forma quase exclusiva o lado mais freestyler deste esporte, exatamente como acontece pela versão do verão. Mas kitear pelas montanhas e na neve pode oferecer muitas outras oportunidades ainda pouco conhecidas.

O projeto Men Who Ride Mountains up começou em 2010 e foi pensado e desenvolvido inteiramente de forma caseira por dois grandes conhecedores de montanhas e que na real de amadorial não tem nada. O atleta protagonista dos vídeos é o famoso instrutor francês de snowkite Johan Civel, filmado e editado por outro grande profissional da área: o regista Wareck Arnaud. Este projeto quer evidenciar uma nova forma de curtir a montanha mostrando a possibilidade de, desfrutando da força do vento, alcançar bastante rapidamente e com “pouco” esforço os picos mais elevados das montanhas por meio do snowkite, gozando depois da descida nas imaculadas paredes de neve fresca que poderiam ser conquistadas exclusivamente de forma tradicional: ou seja somente depois de algumas horas de cansativa caminhada. E fica óbvio que em Men Who Ride Mountains up todas as montanhas foram conquistadas sem o auxílio de snowmobiles ou helicópteros, em pleno respeito a natureza e sem poluir o meio ambiente.

Claro que seria bastante limitado pensar o snowkite como um simples “elevador” que permite subir as montanhas, mas uma das razões mais evidentes da minha pessoal empolgação com o snowkite foi exatamente a causa desta incrível possibilidade de poder finalmente desfrutar e curtir os dois lados da montanha. Snowkiteando posso tranquilamente me divertir subindo as montanhas de forma bastante rápida e sem gastar muita energia, curtindo a técnica da ascensão e podendo inspecionar previamente as passagens e as rochas que depois irão fazer parte da minha linha de descida no meu freeride. Já ouvi depoimentos que consideram o snowkite como uma “tralha” a mais e por alguns aspectos posso até concordar, mas é só uma questão de hábito ligado as primeiras vezes, até entender que isso, além de ser um divertido esporte, pode virar um meio de elevação particular, ecológico e “sem custos adicionais” que pode te levar, sem muitas restrições, até as portas dos paraísos do powder.

Até agora foram publicado quatro vídeos, mas para entender melhor este conceito de Ride Up, sugiro a primeira parte do primeiro capítulo, no qual é bem evidenciado o “quanto incomoda a tralha” e o quarto capítulo onde mostra-se o dinamismo de tudo isso rumo ao powder. De qualquer forma os quatro vídeos são muito bons e inspiradores e realmente vale a pena assistir a todos, AQUI!


Ride Up # 01 “Dark side of the home spot” from RideUP on Vimeo.


Ride Up # 04 “La Blanche” from RideUP on Vimeo.

Fica subentendido que para fazer isso necessita-se de bastante experiência: é fundamental conhecer as técnicas de kite para saber como desfrutar dos ventos e, apesar de similares, kitear na neve pode sim ser até mais “fácil” comparado a superfiz da água, mas a montanha esconde muitos outros perigos. É sempre aconselhável organizar estes backcountry com um guia que conheça além da montanha, toda a área circunstante e que possa repassar informações úteis para a própria segurança. Na Europa e na América do Norte já existem vários lugares conhecidos para snowkitear, na Patagônia ainda é um esporte muito jovem e em fase de desenvolvimento. Atualmente los hermanos argentinos da A.A.S.K. estão criando um mapa dos lugares mais idôneos para praticar snowkite com segurança, disponibilizando cursos e guias para se aventurar nesta incrível experiência que pode oferecer a inédita oportunidade de desfrutar da neve tanto na subida que na decida da montanha, independentemente da presença e/ou do funcionamento dos meios de elevação.

Mais detalhes e infos sobre o projeto vídeo Men Who Ride Mountains up AQUI, enquanto as infos para snowkitear na Patagônia AQUI.

Gostou? Tem mais:

Sobre ianny

...moro no Brasil, em uma ilha, e procuro neve, por paixão e por necessidade, o tempo inteiro, independentemente do mês ou do hemisfério. Sou snowboarder, goofy, mas provo prazer com todas as coisas que deslizam na neve, especialmente se são rápidas e harmoniosas com o contexto de montanha.